quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Oleo de Copaíba, óleo milagroso da amazônia. Conheça

Vejam uma seleção de postagens sobre negócios e gestão de empresas ao final desta postagem

Nossas postagens jamais substituem orientações médicas, e têm apenas caráter informativo.










http://blogdoprofessorari.blogspot.com.br/2016/06/consultoria-de-alto-nivel-pacotes-de.htmlO óleo de Copaiba, conhecido também como o óleo milagroso da amazônia, age restabelecendo as funções das membranas mucosas, ele modifica as secreções e acelera a cicatrização, ele é indicado como estimulante, diurético, laxativo, expectorante, anti séptico do aparelho urinário, entre outros.
As pesquisas com esse óleo não são muitas, mas apontam para um alto poder medicinal. 


Natural da Amazônia o óleo de Copaíba constitui um material resinoso extraído do tronco da copaibeira. Os índios da Amazônia usavam o óleo de Copaíba para untar o corpo, após os combates e ferimentos em geral.

Existem pesquisas mostrando evidências que o óleo de Copaíba é eficaz na prevenção e tratamento do câncer. 

Se alguém quiser adquirir recomendo que procure um local de confiança que faça a manipulação desse óleo, o óleo de Copaiba é barato mas existem muitos oportunistas fazendo altos lucros vendendo o produto a preço muito superior ao preço normal. Para utilização é melhor que busquem orientação de profissional especializado em fitoterapia.

É necessário muito cuidado com a dosagem desse óleo, uma ou duas gotas diárias são suficientes.

=====================================================================

Eu não vendo óleo de Copaíba, nem aceito divulgar dados de vendedores. Para comprar procure uma local de confiança. Óleo de Copaíba custa muito barato. 
========================================================================




Vejam uma postagem muito esclarecedora sobre DEPRESSÃO - Imperdível





Visitem o meu Blog Gestão, Ética e Liderança

http://blogdoprofessorari.blogspot.com
Me adicionem no Linkedin 
https://br.linkedin.com/in/ariovaldosilva   email: arilopes@folha.com.br