terça-feira, 27 de novembro de 2012

As vantagens dos alimentos orgânicos

Fonte: Veja de 26 de janeiro de 2009


Os alimentos orgânicos são produzidos sem o uso de pesticidas convencionais nem fertilizantes químicos. Devem ser livres de contaminação de dejetos humanos e do "lixo" industrial. Não podem ser produzidos com o uso de aditivos químicos para realçar cor, sabor, formato ou aroma. Usar radiação ionizante como forma de preservação também é proibido. No caso de animais vivos destinados ao abate, o uso de antibióticos, hormônios e anabolizantes é estritamente proibido. Em muitos países, o animal herbívoro deve ser alimentado exclusivamente com pasto, sem período de alimentação forçada para elevar o peso de abate no período de confinamento. Outros países estipulam que o uso de vegetais geneticamente modificados não pode ser empregado nos animais destinados ao abate.
Atualmente, os Estados Unidos, a União Européia, o Canadá e o Japão, entre outros países, exigem certificação por entidades autônomas de que o produto chamado de orgânico possa ser liberado para consumo e indicado como tal. Os alimentos orgânicos foram inicialmente produzidos em pequenas fazendas, preocupadas em evitar contaminação química dos vegetais ali produzidos. No entanto, o valor comercial do alimento orgânico superou em cerca de 20% o dos produtos convencionais, estimulando outros produtores a aderir a esse setor. Em 2008, a venda de alimentos orgânicos atingiu cerca de 2% do total destinado a consumo humano.
O impacto ambiental dos orgânicos
Geralmente os alimentos orgânicos são produzidos em pequenas propriedades, muitas vezes por uma única família, que se organiza para o plantio, cultivo, colheita e venda ao consumidor. Nessas circunstâncias as pequenas fazendas são muito menos poluentes que as grandes propriedades. Não são usados pesticidas e herbicidas químicos. Portanto, não há contaminação ambiental. Os ecosistemas são preservados, existe equilíbrio entre a parte agricultural e outras plantas e vegetais, insetos, bactérias, fungos e minhocas. A produção de alimentos orgânicos usa menos energia e, por isso, a perda de material nutritivo é menor. Também não há o problema do descarte dos invólucros de produtos químicos.
O maior inconveniente é que o cultivo de produtos orgânicos tem uma produção cerca de 20% menor do que a agricultura tradicional. Dependendo do tipo do alimento, essa produção pode ser 50% menor do que a convencional. Mas é preciso considerar que o uso sistemático de herbicidas e pesticidas pode afetar a saúde dos trabalhadores na agricultura tradicional. Produtos químicos como inseticidas organo-fosforados são danosos à saúde, principalmente agindo "quebradores" de sistemas hormonais. Os resíduos de inseticidas podem permanecer nos alimentos e são particularmente danosos para a população infantil. Vale lembrar que, mesmo no caso dos orgânicos, alguns pesticidas também orgânicos podem ser utilizados, como os que são criados a partir de inimigos naturais de insetos (como fungos, por exemplo).
Vantagens nutricionais dessa escolha
O cuidadoso manejo agrícola dos alimentos orgânicos garante maior valor nutricional a esses alimentos. Em 2007, um gigantesco estudo realizado nos Estados Unidos concluiu que alimentos orgânicos contêm cerca de 40% a mais de antioxidantes do que os cultivados de forma tradicional. O valor nutricional das frutas, por exemplo, incluiu maior concentração de frutose (o que deixou as frutas mais doces), de vitamina C e de potássio – e, mais importante, ausência de contaminação de herbicidas e pesticidas.
Vários estudos vêm apontando para a presença de resíduos de produtos químicos usados em agricultura tradicional, em alimentos que fazem parte de nossa alimentação do dia-a-dia, tanto para adultos como para as crianças. Quando se comparam alimentos orgânicos com os tradicionais, confirma-se que nesses últimos existem resíduos de pesticidas potencialmente nocivos às crianças em desenvolvimento e crescimento. Esse grande obstáculo ao consumo de alimentos convencionais poderia ser contornado com o uso judicioso e cada vez menor de tais agentes químicos em agricultura. Os institutos de pesquisa do Brasil (como a Embrapa) e no mundo estão muito interessados em achar inimigos naturais de insetos predadores e controlar a destruição de colheitas por meio de métodos biológicos. Este é o futuro da agricultura racional, protetora do ambiente e do ecossistema.
O custo dos orgânicos é elevado
Como já foi demonstrado, um dos obstáculos ao uso generalizado de alimentos orgânicos é o seu alto custo. Dependendo do tipo de cultivo, do produto agrícola, do tamanho de área cultivada e da mão-de-obra necessária, o custo do orgânico pode ser de 10% a 40% mais caro que na agricultura tradicional. Tal custo torna proibitivo o consumo generalizado de alimentos orgânicos e apenas uma minoria da população pode ter acesso a este tipo de alimento. O que encarece ainda mais o alimento orgânico é a distribuição ao varejo – o custo fica mais elevado devido às pequenas quantidades oferecidas.
Vale lembrar ainda que existe a possibilidade de haver fraude, ou seja, o produtor indicar como orgânico o alimento que não foi produzido dentro de normas condizentes com o que chamamos de agricultura orgânica, isenta de produtos químicos. Por causa do preço mais elevado dos orgânicos, não faltam produtores "espertinhos" que tentam vender por preço mais alto o que produziram com herbicidas, pesticidas e outros produtos químicos. Tanto na União Européia como nos Estados Unidos, Canadá e Japão existem órgãos certificadores que garantem que o produto é realmente orgânico. No Brasil também existe um iInstituto que controla a produção e comercialização desse tipo de alimento. É só com essa certificação que temos certeza de que estamos consumindo um verdadeiro orgânico, com benefícios nutricionais tanto para adultos como para crianças.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Como manter seus rins saudáveis ​​com a idade





Embora tenha transcorrido cerca de 18 anos desde que o meu primeiro cadáver dissecado e primeira aula de anatomia, eu ainda me lembro de ser surpreendido quando recebi o meu primeiro olhar para um par de rins - eles eram muito menores do que eu esperava. Até aquele momento, eu tinha imaginado os rins a ser muito grande, dada a quantidade de trabalho que eles são responsáveis.
Cada um dos rins medem cerca de 4 a 5 centímetros de comprimento e cerca de 1 polegada de espessura, com peso de cerca 150 gramas. Para colocá-lo em termosfáceis de visualizar termos, cada um de seus rins é um pouco maior que um baralho de cartas.
 
Apesar de seus rins representam menos de 0,5 por cento do seu peso corporal total, eles recebem cerca de 25 por cento da quantidade total de sangue que o coração bombeia enquanto você está descansando. Além disso, seus rins utilizam-se cerca de 20 a 25 por cento da oferta do seu corpo de oxigênio.
Atenção: Para ouvir uma gravação (mp3) de áudio deste artigo, faça o download e executar o arquivo seguinte: Como manter seus rins saudáveis ​​como você idade - arquivo de áudio
Por que seus rins - esses pequenos órgãos - recebem tanto sangue e oxigênio? Porque eles são responsáveis ​​por cinco funções críticas:
  1. Seus rins mantem o seu sangue limpo por filtragem de resíduos de produtos e eliminam resíduos do seu corpo como urina.
  2. Seus rins ajudam a manter um equilíbrio adequado de líquidos durante todo o seu corpo.
  3. Os rins secretam uma hormonio chamada eritropoietina, que é responsável pela estimulação da produção de glóbulos vermelhos na medula óssea.
  4. Seus rins produzem uma enzima chamada renina, que é necessário para ajudar a manter a sua pressão arterial.
  5. Seus rins convertem vitamina D em sua forma mais ativa.
Seus rins estão acima de sua cintura, logo abaixo da superfície de sua região de volta médio / baixo. Embora a posição do seu fígado faz com que seu rim direito a ser um pouco menor em sua cavidade abdominal do que o seu rim esquerdo, ambos os rins são parcialmente protegidas pela parte inferior de sua caixa torácica.
 
Com cada batida do seu coração, grandes quantidades de sangue são entregues aos rins através das artérias renais. Dentro de seus rins, as artérias renais dividido em um número de agências menores que distribuem sangue para os néfrons, que são as unidades de processamento microscópicas de seus rins, você tem cerca de um milhão de néfrons por rim.

Dentro de cada néfron, existem leitos especializados de capilares (vasos sanguíneos ainda menores) chamados glomérulos. Glomérulos filtram o seu sangue, e passam o sangue filtrado para uma série de túbulos especializados que são conhecidos coletivamente como o túbulo renal - é no túbulo renal onde a urina é criado.
 
O processo de criação da urina é complexo, mas, na essência, o que acontece é o seguinte: cerca de um quinto do sangue que passa por cada um de seus rins é filtrado por seus glomérulos para inserir nos seus túbulos renais, o material que passa é referido como filtrado, que inclui materiais de resíduos, água, íons cloreto, íons sódio, íons bicarbonato, glicose, íons de potássio, uréia, ácido úrico e proteína. Como o filtrado atravessa o túbulo renal, cerca de 99 por cento do que é reabsorvido em sua circulação sanguínea - este número só lhe dá uma boa idéia do quão duro seus rins trabalham para produzir urina; dos cerca de 40 galões (150 litros) de filtrado que entra nos rins, numa base diária, apenas cerca de 1-2 quarts (1 a 2 litros) se transforma em urina. Os 99 por cento que é reabsorvido em sua circulação é a forma como os seus rins ajudam a manter a composição do seu corpo fluido e nível de pH.
 
Se você quiser entender exatamente como seus néfrons criam urina, eu recomendo que você leia o capítulo sobre Rins e fluidos corporais em livro clássico Guyton sobre fisiologia humana - este é o livro que dará a você quer uma visão detalhada de como seu corpo funciona a um nível microscópico.

Uma vez que a urina é criada em seus túbulos renais, ela se move através de uma série de dutos de coleta até atingir a parte do meio interno de seu rim, onde a urina é coletada por seu ureter, o tubo que permite que à urina para viajar de seu rim para a bexiga . Da bexiga, a urina sai do seu corpo através de sua uretra.
 
No entendimento do trabalho que os seus rins são obrigados a realizar para filtrar o sangue e produzir urina, espero que seja claro que beber grandes quantidades de água quando você não está com sede é uma boa receita para o desgaste prematuro de seus rins com a idade. Seu corpo não é como um tubo de encanamento que fica mais limpo, através de lavagem de grandes quantidades de água através dele.

Um número de seus órgãos, incluindo os rins, são projetados para manter seu corpo limpo por continuamente eliminando resíduos. Se você quiser prevenir doenças como você idade, a prioridade deve ser a de evitar encargos desnecessários para os seus rins e outros resíduos, eliminando órgãos.
Além de usar seu senso de sede para ditar a quantidade de água e água rica em alimentos que você ingere, aqui estão duas maneiras importantes para proteger seus rins prematuramente:
  1. Não comer muita proteína.
    Comer mais proteína do que você precisa leva a uma maior carga de trabalho sobre os seus rins, que deve filtrar um subproduto do metabolismo de proteínas chamado uréia (BUN) fora de seu sangue. Este aumento de trabalho pode contribuir para a quebra prematura dos glomérulos nos rins.
     
    Se você tem rins saudáveis, você pode comer com segurança até a metade de seu peso (em quilos) em gramas por dia. Por exemplo, se você pesa 150 quilos e está de boa saúde, você pode comer com segurança até 75 gramas de proteína de alimentos minimamente processados ​​por dia. Se você tem problemas com os seus rins, você deve diminuir este valor para um nível que resulta em um nível saudável uréia.
     
    Se o seu estado de saúde atual é tal que você precisa de uma forma objetiva de monitorar como seu corpo está respondendo com a quantidade de proteína que você está comendo, pergunte ao seu médico sobre o monitoramento de seu nível de uréia. Sempre que você comer proteína, seu corpo divide-os em aminoácidos que contêm nitrogênio. Azoto separa a partir de aminoácidos e combina-se com outras moléculas para formar a ureia. A uréia é eliminado do seu corpo quando seus rins filtram-lo fora de seu sangue e em sua urina.
     
    Uma gama saudável para BUN é entre 4 e 17 mg / dL. Em qualquer lugar entre 18 a 21 mg / dL é um sinal de que você pode estar comendo muita proteína e, possivelmente, que os seus rins estão sob tensão excessiva. Mais do que 21 mg / dL é um forte sinal de que você precisa reduzir significativamente a sua ingestão de proteínas.
     
    A relação entre comer muita proteína e desenvolvimento de doença renal é aquela que muitas vezes não é falado por defensores de uma dieta rica em proteína. Embora seja importante para manter o seu açúcar no sangue e de insulina em níveis saudáveis, evitando açúcar e outros carboidratos simples, saiba que uma dieta rica em proteína representa muitos perigos para a sua saúde, especialmente se a maioria de sua proteína é cozido com técnicas de alta temperatura. Sua saúde é melhor servido pela substituição de carboidratos simples, com muita gordura de alta qualidade, e quantidades moderadas de proteína saudável e vegetais sem amido.
     
  2. Não tome analgésicos em uma base regular.
    Não-esteróides anti-inflamatórios como o ibuprofeno (Advil, Motrin), naproxeno (Aleve) e aspirina são conhecidos por causar danos renais se tomados regularmente. Acetaminofeno (Tylenol e Excedrin) também pode causar danos nos rins e insuficiência se usado regularmente. Todos estes medicamentos contra dor, provavelmente, não representam perigo significativo se os seus rins são relativamente saudável e você usá-los apenas para emergências.
    Como muitos atletas profissionais descobriram durante os últimos anos, o uso regular de medicação para dor prescrição anti-inflamatório como Vioxx, Indocin, e Naprosyn representa um perigo ainda maior para a saúde dos rins.
Espero que este artigo tenha ajudado a compreender o complexo design de seus rins e as grandes etapas que você pode tomar para evitar a ruptura prematura de seus rins com a idade. Lembre-se que o melhor "remédio" para todos os seus órgãos, seus rins incluído, é comer uma dieta baseada em vegetais, minimamente processados, descansar o suficiente físico e emocional, ficando a exposição regular ao ar fresco e luz do sol (sem se queimar), e ser fisicamente ativo.

Dia Nacional de Combate ao Câncer visa à conscientização da população sobre o assunto

Dia Nacional de Combate ao Câncer visa à conscientização da população sobre o assunto

O oncologista André Sasse retoma os temas mais relevantes ligados à prevenção
Celebrado no dia 27, o Dia Nacional de Combate ao Câncer, tem como um dos objetivos proporcionar importante mobilização popular quanto aos aspectos educativos e sociais na luta contra essa doença. O oncologista André Deeke Sasse, do Instituto do Radium de Campinas e do Centro de Evidências em Oncologia da Unicamp (Cevon), complementa que essa data é muito importante para retomar as principais maneiras de se prevenir o câncer. “Os tratamentos estão muito avançados, mas ainda assim a prevenção é o melhor remédio”, afirma.
O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) elenca 10 atitudes que ajudam a ter uma vida mais saudável. A primeira delas é evitar fumar, já que são liberadas cerca de 4.700 substâncias tóxicas e cancerígenas que são inaladas por fumantes e não fumantes. Uma ressalva também para o uso do Narguilé, que também é extremante prejudicial, uma hora de uso do produto equivale a fumar 100 cigarros. Na sequência estão itens como ter uma alimentação saudável, fazer 30 minutos diários de atividade física, evitar a ingestão de bebidas alcoólicas, evitar exposição ao sol no período das 10h às 16h. “São atitudes que colaboram não somente em evitar o câncer, mas em ter uma vida mais saudável e esses conselhos deveriam fazer parte da rotina de cada indivíduo”, explica Sasse.
Além dessa receitinha de uma vida melhor, o médico adverte que há exames específicos que devem ser realizados ao longo da vida, a fim de qualquer alteração ser diagnosticada logo no início e combatida. É recomendável que mulheres acima de 40 anos realizem mamografia e os homens a partir dos 50 anos o exame de próstata. “São exames que devem ser encarados como rotina, eles fazem um diagnóstico precoce, possibilitando que os tratamentos tenham resultados positivos”, analisa André.
Como falado anteriormente os tratamentos estão cada vez mais eficientes, mas os números ainda assustam. A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez uma projeção de 27 milhões de novos casos de câncer para o ano de 2030 em todo o mundo, e 17 milhões de mortes pela doença. Os países em desenvolvimento serão os mais afetados, entre eles o Brasil. E de acordo com Estimativa 2012 – Incidência de Câncer no Brasil realizada pelo INCA e válida para o biênio 2012-2013 para o sexo masculino o câncer de próstata permanecerá como o mais comum, seguido pelo de pulmão, cólon e reto, estômago, cavidade oral, laringe e bexiga. Já entre as mulheres, a glândula tireoide, de modo inédito, aparece no quinto lugar geral, atrás do câncer de pele não melanoma, mama, colo do útero, cólon e reto. Na sequência, vêm os tumores de pulmão, estômago e ovário.
Sasse comenta que essas estimativas são muito importante para os profissionais da área oncológica. “Conseguimos planejar as políticas públicas de combate ao câncer e no meu caso faço revisões de estudos publicados anteriormente, sempre atento a novos medicamentos para o câncer de maior incidência”, explica.

Saborosa e com textura delicada, a pera é excelente para a manutenção da saúde e a prevenção de doenças



A fruta hidrata, é rica em fibras e em potássio, apresenta baixo teor calórico e zero sódio
A garantia é milenar e vem dos chineses. Segundo a medicina oriental, a pera faz milagres pelo nosso organismo. Para a mulher, ela ameniza transtornos, como o inchaço no período pré-menstrual, porque é rica em potássio: por exemplo, uma Pera Americana USA Pears de tamanho médio oferece 210 mg do mineral, que ajuda a eliminar o excesso de líquido no corpo. Esse nutriente também previne as cãibras, fazendo da fruta uma forte aliada dos esportistas.


Embora o potássio seja facilmente perdido por meio da transpiração, do estilo de vida ativo e da atividade física, ele é necessário para manter os batimentos cardíacos, a contração muscular, a transmissão nervosa e o metabolismo de carboidratos e proteínas. A nutricionista e culinarista Cinthya Maggi dá uma dica para quem pratica esporte: “Para quem faz atividade física, a pera americana promove a rápida renovação de energia, especialmente após exercícios intensos. A perda de potássio pela desidratação ou sudorese durante as atividades físicas deve ser reposta pelo consumo de frutas, verduras e legumes frescos que contenham um alto teor de potássio. As USA Pears são ricas em potássio.”


De acordo com Cinthya Maggi, os benefícios dessa fruta vão muito além do potássio. “A pera americana é rica em fibras, auxiliares na prevenção de doenças como a constipação intestinal e o câncer de intestino. Dados do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos apontam que cerca de 30% dos casos da doença no Brasil estão relacionados à má alimentação. As doenças cardiovasculares e o diabetes também fazem parte desse quadro. Dietas pobres em fibras e com alto teor de gorduras, especialmente as saturadas e colesterol, estão associadas a essas enfermidades. A boa notícia é que uma pera americana USA Pears, de tamanho médio, contém cerca de 6 g de fibras, sendo que grande parte está na casca. Portanto, utilize a casca da pera em suas receitas ou in natura, sempre que possível.”

A pera americana também é fonte de pectina, fibra solúvel que ajuda na redução do colesterol total. E sabe quanto de gordura? Menos de 1 grama de gordura e apenas 98 calorias.


As peras USA Pears também possuem boa concentração de vitamina C, importante antioxidante, que impede os danos causados pelos radicais livres, estimula a cicatrização de cortes e feridas, e auxilia no combate a uma série de doenças infecciosas.

Além de ser um saboroso alimento in natura, a fruta é um versátil ingrediente para receitas que vão desde pratos requintados até sobremesas irresistíveis. A partir de outubro, os brasileiros terão à disposição a safra 2012-2013 das Peras Americanas. As frutas, exclusivas e trazidas tradicionalmente pela USA Pears, chegam em qualidade premium este ano, nas variedades Anjou, Red Anjou, Yellow Bartlett e Red Bartlett. Conhecidas como as verdadeiras peras pela qualidade e sabor, são encontradas em todo o Brasil, em diversos pontos de venda, como empórios, hortifrutis e supermercados.

Conteúdo de uma pera média, de 166 gramas

Calorias
100 kcal


Gorduras totais
0 g
0%

Gorduras saturadas
0 g
0%

Gorduras trans
0 g
0%

Colesterol
0 g
0%

Sódio
0 g
0%

Carboidrato
26 g
9%

Fibra alimentar
6 g
24%

Proteína
1 g
1,3

Cálcio
19 g
2%

Vitamina C
7 mg
10%


Visite os sites da USA PEARS: www.usapears.com.br e www.usapears.com.

Caxias do Sul: O excelente Restaurante Natural Trigais completa dois anos.

Parabéns ao excelente Restaurante Natural Trigais que completa hoje, 26 de Novembro, dois anos oferecendo uma alimentação de primeira. Vegatarianos, veganos, macrobióticos e outros entusiastas de uma alimentação saudável encontram lá um excelente alternativa.

No Restaurante natural Trigais é servido de segunda a sábado, um cardápio equilibrado e saudável, que vai conquistar o seu padalar com qualidade e sabor.

Lá você encontrará um amplo buffet de saladas; pratos quentes especiais, padaria, ponfeitaria e entreposto.

No Trigais tudo é orgânico, natural e muito bem preparado.

Numa cidade onde a tradição e costume apontam para a culinária de churrascarias, hamburguerias e galeteriais, para mim encontrar o Trigais foi como achar um fonte de água fresca no deserto.

Se você vive em Caxias do Sul ou região, ou se um dia passar pela região, não perca a chance de disfrutar da excelente culinária do Trigais.

Restaurante Natural Trigais

Fone 54.3028.0891


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Beber muita água: uma lenda urbana moderna




Frequentemente ouvimos as pessoas dizerem que cuidam de sua saúde ingerindo vários litros de líquidos ao dia. Trata-se de um equívoco que denominamos de lenda urbana moderna.
O organismo tem mecanismos muito sensíveis para controlar a quantidade de líquidos que a pessoa deve ingerir por dia e a ingestão exagerada não faz bem à saúde, exceto para as pessoas formadoras de “pedras nos rins”, para as quais beber de dois a três litros de água por dia faz parte fundamental do tratamento.
O cérebro controla uma quantidade de receptores distribuídos por todo o organismo que medem a quantidade necessária de água que deve ser ingerida. Isto ocorre porque os líquidos do corpo têm uma determinada concentração de substâncias e o excesso de água pode diluí-los e “inchar” as células, fazendo mal a elas. A falta de água, do mesmo modo, também é prejudicial às nossas células.
Quando, ao se submeter a um exame, o laboratório solicita que o paciente tome vários copos de água rapidamente, os dois primeiros são passíveis de serem tomados. Ao ingerir o terceiro ou quarto copo, já começa ocorrer uma certa náusea e até uma vontade de vomitar que impede a pessoa de beber mais. Isto acontece porque o organismo mede que aquela ingestão exagerada de água poderá diluir os líquidos e fazer mal às células.
Quando se está com sede, ingere-se exatamente a quantidade de água necessária. Este treinamento, que ocorre ao longo da vida, faz com que baste um olhar para a quantidade de líquido num copo para medir o volume necessário a ser ingerida. Frequentemente não se enche um copo de água quando se tem pouca sede.
Mesmo ao se ingerir água quando se está com sede, a ingestão é interrompida antes que ela atinja o estômago ou seja absorvida pelo sangue. Isto ocorre porque os receptores que estão distribuídos na boca  são capazes de detectar que aquele fluxo de água que ali está passando será suficiente para repor o que o organismo necessita. Os bebês que estão no período de amamentação, por exemplo, raramente necessitam de água, pois o leite materno tem a quantidade de líquido suficiente para hidratá-los.
Outra comprovação disso é que a ingestão de um ou dois copos de água quando não se está com sede leva à necessidade de urinar logo depois. Isso porque os rins eliminam o excesso de água no organismo para manter o equilíbrio da concentração dos líquidos.
Durante o sono, em geral, a pessoa passa a noite toda sem acordar para urinar. Isto ocorre porque o cérebro sabe que nesse período não vai haver ingestão de água. Existe a liberação de um hormônio denominado anti-diurético que pede ao rim que poupe água durante a noite. Por isso a urina produzida à noite é muito concentrada, impedindo o enchimento da bexiga e, portanto, não atingindo o desejo de urinar, o que faria a pessoa acordar. Por esse motivo os laboratórios solicitam para exames a primeira urina da manhã, uma vez que ela é mais concentrada e mais fácil de encontrar eventuais defeitos.
A ingestão de água também é proporcional à quantidade de sal que a pessoa ingere. Este é mais um exemplo que o organismo tenta manter constante a concentração dos seus líquidos. Se a comida consumida for salgada, há necessidade de ingerir água suficiente para diluir aquele sal. Algumas horas depois, os rins eliminam tanto o sal quanto o líquido ingerido. Por outro lado, uma pessoa que ingere mínimas quantidades de sal raramente tem sede.
Todos esses exemplos servem para mostrar que o organismo sabe informar a quantidade exata de água necessária e que não há razão para tomar água sem sede.
Existem distúrbios deste equilíbrio, como o Diabetes Insípidus, onde a falta parcial ou total do hormônio anti-diurético promove uma urina bem diluída e existe a necessidade de repor a água perdida na urina ingerindo-se bastante água. Um acontecimento também frequente é o caso de diabéticos mal controlados que têm uma glicemia muito elevada, causando bastante sede.
Assim, quando ouvir alguém dizendo que ingere propositalmente grandes quantidades de água mesmo sem sede para manter a saúde, informe-o que está equivocado.
-
por Elias David-Neto, Co-coordenador do Núcleo Avançado de Nefrologia e Diálise do Hospital Sírio-Libanês

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Dia da Homeopatia: conheça os benefícios da terapêutica criada no século XVIII -

 Por Dra. Patrícia Martins de Rezende

No próximo dia 21 de novembro comemora-se o Dia da Homeopatia. Cada vez mais popular, a terapêutica é indicada para tratar diversas patologias de forma menos agressiva, desde uma leve alergia ou até mesmo um caso mais complexo, como uma insuficiência renal. Utilizada tanto em humanos como em animais, o método compreende o equilíbrio emocional e orgânico, fortalecendo a imunidade do paciente. A Homeopatia tem também o objetivo de prevenir possíveis problemas de saúde.
A Homeopatia foi criada no século XVIII pelo médico alemão Samuel Hahnemann, que após ler o que um autor falava na China sobre o quinino, medicamento utilizado para o tratamento da malaria, resolveu tomar o medicamento em doses ponderais. Ele estava saudável, e após ingerir o medicamento teve febre semelhante à produzida pela doença. Com isso, foi constatada a Lei dos Semelhantes, lei natural de cura que já havia sido descrita por Hipocrates há cerca de 400 a.C.
Hipócrates enunciou em seus escritos quatro leis naturais de cura, são elas: Lei dos Contrários (Alopatia), Lei Natural de Cura, quando o organismo se cura sem receber nenhum estímulo, Lei dos Iguais (Isopatia) e a Lei dos Semelhantes (Homeopatia), método responsável por administrar ao paciente a substância (medicamento) que, quando ingeridas por pessoas sadias, reproduz o mesmo sintoma de um doente.
Hahnemann, com medo das intoxicações medicamentosas comuns à época, trabalhou diluindo e dinamizando os medicamentos, por isso não há o risco de intoxicação ou efeitos colaterais. Os medicamentos homeopáticos podem ser produzidos a partir de plantas, minerais e até animais. No Brasil, este método terapêutico chegou em 1840, inserido pelo homeopata francês Benoit Mure.
Na veterinária, os benefícios também são inúmeros, pois os medicamentos não debilitam o animal e contribuem com o aumento da produtividade, sem deixar resíduos no organismo. Por conta disso, o Professor e Médico Veterinário Homeopata Dr. Claudio Martins Real, considerado o precursor da Homeopatia Veterinária no Brasil, desenvolveu a Homeopatia Populacional, uma inovação tecnológica que é fruto de mais de 40 anos de atividade profissional e de estudos.
A Homeopatia Populacional trata os animais de forma coletiva, como se fossem apenas um indivíduo. Dessa maneira, é possível medicar um rebanho inteiro sem toxidez, e ainda garantir o aumento na qualidade de toda a cadeia produtiva.
Mas a Homeopatia Veterinária vai muito além dos pastos e rebanhos, ela também pode ser utilizada nos pets. É possível realizar o tratamento de patologias como otites, intolerância alimentar, alergias, cálculos na bexiga e rins, distúrbios comportamentais, entre outros. Além disso, os medicamentos são facilmente administrados, pois podem ser colocados na água dos animais ou alimento, evitando assim, que o animal fique irritado.
Com o objetivo de restabelecer a saúde de seus pacientes, sem causar intoxicação e efeitos colaterais, os médicos veterinários utilizam a Homeopatia. Com esta terapêutica é possível proporcionar melhor qualidade de vida para os animais.

Cientistas identificam novo gene de risco para Alzheimer

Fonte: Folha de São Paulo

JULIE STEENHUYSEN
DA REUTERS
Duas equipes internacionais de cientistas identificaram uma rara mutação em um gene ligado a inflamações que aumenta significativamente o risco de desenvolver a forma mais comum de Alzheimer, a primeira descoberta do tipo em uma década.
A descoberta, publicada esta semana no "New England Journal of Medicine", fornece novas interpretações sobre as bases do Alzheimer, uma doença mortal, devastadora, que rouba memórias, independência e a vida das pessoas.
Em estudos separados, as equipes lideradas pelo laboratório deCode Genetics e por John Hardy, do University College de Londres, descobriram que pessoas com uma mutação no gene chamado TREM2 tem quatro vezes mais chance de ter Alzheimer.
O risco de desenvolver a doença é comparável ao ApoE4, a causa genética mais conhecida de Azheimer que atinge os idosos. Entretanto, o novo gene é dez vezes mais raro que o ApoE4, que atinge 40% das pessoas com o mal.
Raro ou não, cientistas dizem que a descoberta representa um grande avanço na pesquisa do Alzheimer.
"Trata-se de uma das mais comuns e mais devastadoras doenças em humanos, e nós ainda não temos um bom entendimento das causas desse mal", disse Allan Levey, diretor do Centro de Excelência da Doença de Alzheimer de Emory (Atlanta, EUA) que auxiliou na confirmação das descobertas do deCode. "Acredito que isso é muito importante. Proporciona outra importante pista de um dos fatores biológicos que contribuem para causar a doença", completou.
Apesar das inúmeras tentativas, a indústria farmacêutica se frustrou em seus esforços de desenvolver uma droga que possa alterar as origens do Alzheimer, que afeta mais de 5 milhões de norte-americanos e custa anualmente ao país mais de US$ 170 bilhões em tratamento.
Pesquisas atuais têm sido focadas na remoção de amontoados de proteína --conhecida como beta-amiloide-- que se acumulam no cérebro das pessoas com o mal de Alzheimer. Porém, muitas drogas que têm sido desenvolvidas para remover essas proteínas têm falhado na melhora significativa dessa forma de demência.
Com a nova descoberta, pesquisadores acreditam que o foco será no papel da inflamação no Alzheimer.
RESPOSTA INFLAMATÓRIA
TREM2 é o gene que afeta a proteína da superfície da célula de vários tecidos que "recolhe o lixo", segundo o Dr. Kari Stefansson, do laboratório deCode, de Reykjavik (Islândia). Essas células, conhecidas como microglia, são constantemente associadas à inflamação.
Uma mutação que altera a função dessas células "faxineiras" poderia afetar a forma como o cérebro lida com o excesso de proteínas tóxicas acumuladas, explicaram Stefanssom e outros cientistas. Isso sugere que, mesmo que o TREM2 seja raro, a forma como atua no cérebro pode ser importante para a saúde delas.
"É plausível que o TREM2 esteja envolvido em todas as formas do mal de Alzheimer", disse Andrew Singleton, do Instituto Nacional do Envelhecimento (Estados Unidos), que trabalhou no artigo com Hardy e colegas do University College. "Acredito que talvez seja generalizado", completou Singleton.
Em sua pesquisa, Hardy e colegas utilizaram uma técnica de sequenciamento de genes para estudar 988 pessoas com mal de Alzheimer e mil voluntários saudáveis
A equipe também examinou tecidos do cérebro de pacientes que sucumbiram à doença, e estudaram o gene TREM2 em camundongos geneticamente modificados.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Homeopet oferece método natural e sem contradições para combater o estresse

Fim de campeonato de futebol e festas de Natal e Ano Novo são algumas das épocas mais preocupantes para os criadores de pets. Apesar de todo o clima festivo que o período proporciona, os proprietários de cães e gatos sofrem com essas datas e a culpa disso tudo está nos fogos de artifício. Por possuírem a audição sensível, os animais costumam ficar assustados e estressados, o que pode acarretar em uma série de problemas à saúde dos pequenos.
Para reduzir a irritabilidade, a Homeopet, linha de medicamentos homeopáticos da Real H para animais de estimação, desenvolveu o Anizen. Com seu uso, os pets ficam menos ansiosos, barulhentos e agressivos. Inclusive, é uma opção para os animais que passam muito tempo sozinhos em casa e sofrem com isso. E o melhor de tudo: de forma natural e sem contraindicações.

Além disso, ele pode ser administrado diretamente na água ou alimento, tornando o seu uso mais fácil. "O objetivo do tratamento homeopático é garantir o equilíbrio emocional e orgânico, proporcionando um aumento na qualidade de vida", explica Dra. Patrícia Martins de Rezende, médica veterinária e Assessora Técnica da Homeopet.

Sobre a Homeopet
A Homeopet é uma linha de medicamentos para pequenos animais da Real H, o maior laboratório homeopático da América Latina. No mercado desde 2009, seus 24 produtos atuam na cura e prevenção das principais patologias, garantem saúde e bem estar dos animais e não causam nenhum efeito colateral.